1os Socorros

VenenoSuspeita de intoxicação

Um animal intoxicado pode apresentar descoordenação motora, salivação excessiva, tremores (convulsões) e apatia.

Perante este quadro deverá fornecer por via oral, água oxigenada para provocar o vómito ao animal. No entanto, este acto, só tem interesse fazer, caso o animal tenha ingerido o alimento há menos de 45 minutos. Quando este período de tempo é superior, é necessário actuar com medicamentos específicos que vão travar o veneno a nível intestinal e sanguíneo. Nesta fase, deverá contactar de imediato um Médico Veterinário, para que sejam prestados todos os cuidados necessários. Na maior parte das vezes, é necessário o animal ficar internado para lhe serem fornecidos medicamentos para que o tóxico seja eliminado o mais rapidamente possível.

Sempre que possível, deve indicar qual o tóxico que o animal ingeriu. Se a suspeita for de veneno dos ratos, o animal terá que efectuar um tratamento que se pode prolongar durante dois meses. A ingestão de veneno dos ratos ou de ratos mortos envenenados é bastante frequente e caso não seja detectada atempadamente o animal pode morrer devido a graves e extensas hemorragias internas. Nestas situações, o proprietário do animal apenas consegue actuar se observar o animal a ingerir o veneno, pois pode provocar-lhe o vómito com água oxigenada.

 

Atropelamentos

Caso o seu animal seja atropelado, mantenha a calma e tente retirá-lo com cuidado da estrada. Tenha sempre cuidado ao manusear o animal pois muitos deles, devido às dores podem chegar a agredir o próprio dono. Tente, sempre que possível, agarrá-lo com ajuda de uma manta, que deverá ser colocada sobre a cabeça do animal e sob o seu abdómen. Se tiver oportunidade repare se ele consegue urinar e defecar. Será normal que o animal se encontre ofegante, mas não deverá apresentar dificuldades respiratórias. Contacte de imediato o médico veterinário, para que sejam desde logo tomadas todas as medidas necessárias.

 

Alerta a Pequinois

Os cães de raça Pequinois, têm os olhos muito saídos das órbitas e com frequência podem sair da órbita. Quando o olho “salta”, é fundamental manter o olho húmido enquanto se desloca para uma clínica veterinária, pois a falta de humidade pode desenvolver graves problemas na córnea (parte mais externa do olho), conduzindo à perda de visão permanente. Para tal, deverá envolver o olho com uma compressa embebida com soro fisiológico. Deve contactar de imediacto o seu médico veterinário para ele estar pronto a agir. O animal precisará de ser submetido a uma anestesia geral para recolocação do olho e sutura da pálpebra. Durante os dias seguintes o proprietário terá que aplicar as gotas que lhe forem indicadas.

A chave para o sucesso é o cuidado de humedecer o globo ocular por parte do proprietário e a rapidez de actuação (tempo decorrido entre que o olho sai do globo ocular e que volta a ser lá recolocado). Consoante o estado do olho o prognóstico pode ir de bom a muito reservado a nível de visão do olho afectado. Em casos graves pode ser necessário extrair o globo ocular.

 

Golpe de Calor

Com a chegada dos dias mais quentes e do verão é frequente que os animais fiquem dentro do carro quando vamos dar um pequeno passeio ou temos que nos dirigir a locais onde eles não podem entrar. No entanto, este acto, aparentemente inofensivo, pode ser fatal para o seu querido animal. A temperatura no interior do veículo pode atingir valores tão elevados (mesmo que o carro fique à sombra e que os vidros fiquem ligeiramente abertos) que o animal deixa de conseguir manter a sua própria temperatura. Nesta fase, o animal começa a ser atingido por um golpe de calor. A sua respiração torna-se rápida e ofegante, poderá ter comportamentos de desespero, tentando sair do interior da viatura e poderá apresentar uma salivação excessiva. Caso encontre o animal neste estado deverá tentar refrescá-lo imediatamente. Para tal, poderá molhar todo o animal com água fria e fornecer-lhe abundantemente água para ele beber. Caso esteja perto de casa, utilize uma toalha embebida em água fria e coloque-a na região das axilas e virilhas (zonas com menos pêlo) e contacte o seu médico veterinário. Esta situação é uma urgência grave. O animal deverá ir para a clínica e ser colocado a soro pois no seu interior estão a decorrer alterações que podem ser fatais.

Atenção: Os cachorros são mais sensíveis ao golpe de calor, principalmente os de pêlo comprido ou espesso.

Pode acontecer que quando chegue ao carro, o animal já se encontre sem vida ou o tratamento efectuado para lhe baixar a temperatura seja infrutífero.

Partilhe com os seus amigos!

Esta entrada foi publicada em Primeiros socorros com as tags , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta