Brinquedos e praganas

Sabia que um dos motivos mais frequentes do animal ser levado à clínica veterinária são problemas causados por corpos estranhos?

O que é um corpo estranho?

Um corpo estranho é todo o objecto que está dentro do organismo, não lhe pertencendo e normalmente causando-lhe algum género de dano.

Por exemplo: uma pragana (erva seca) que entra dentro do organismo, uma bola que é ingerida, um anzol que fica preso na boca são considerados corpos estranhos.

 

História clínica de animais que ingerem corpos estranhos:

Um animal que ingere um corpo estranho pode ter diversas apresentações.

Nos casos em que o animal ingere algo que tenha uma extremidade perfurante é normal a extremidade perfurante ficar espetada na boca. Por exemplo cães que ao passear na praia ficam com anzóis espetados na boca ou gatos que depois de brincarem com fios os ingerem, juntamente com a agulha, ficando esta última espetada debaixo da língua.

Por vezes a ingestão de corpos estranhos surge de brincadeiras: o dono que está a brincar com o cão de raça grande com uma bola de relativamente reduzidas dimensões e de repente o animal ingere a bola.

Noutras situações somos nós que voluntariamente o damos aos nossos animais: donos que dão ossos ao seu animal. Esses ossos, após serem partidos na boca podem espetar no esófago, estômago ou intestino e causar graves problemas, ou mesmo a morte do animal.

Infelizmente, nem sempre o dono se apercebe que o animal ingeriu algo de estranho, tornando o diagnóstico mais demorado.

Sintomas:

Quando o objecto está a perfurar a boca pode ser visível pela simples observação.

Quando o objecto está alojado no esófago, estômago ou intestino pode provocar diversos sintomas:

– falta de apetite;

– dificuldades a engolir;

– vómitos insistentes que se instalam de forma repentina;

– dor localizada;

– desidratação;

– em casos de objectos perfurantes do esófago torácico o animal pode apresentar dificuldades respiratórias graves e morrer se nada for feito rapidamente.

Diagnóstico:

O diagnóstico é estabelecido com base na história clínica, sintomas do animal e imagem radiográfica, endoscopia ou ultrassonografia.

 

Tratamento:

O tratamento é variável.

No caso em que o objecto está alojado na boca pode ser possível removê-lo directamente.

Quando está alojado no esófago deve tentar-se retirar 1º por endoscopia antes de partir para resolução cirúrgica.

Quando está alojado no estômago e no intestino, o mais frequente é ter que ser removido cirurgicamente.

 

Os princpais animais que chegam à clínica com este género de problemas são animais jovens, daí a importância de vigiar atentamente todas as suas brincadeiras.

 

Dicas para reduzir o risco de ocorrência destes problemas:

– evitar que o animal caminhe em campos com ervas secas,

– não permitir que o animal brinque com brinquedos passíveis de serem ingeridos (bolas pequenas, novelinhos de linha);

– não permitir que o animal vagueia pela rua sozinho (pode ingerir coisas do lixo).

 

A Clínica Veterinária Animal Especial tem à sua disposição um serviço de urgências 24h e meios de diagnóstico que permitam identificar este problema com brevidade. Temos ainda serviço de cirurgia com médica veterinária experiente neste género de problemas.

Partilhe com os seus amigos!

Esta entrada foi publicada em Cuidados Básicos, Doenças com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta