Dermatofitose

O que é?

Lesão caracteristica de dermatofitoseA Dermatofitose, ou “tinha” refere-se a uma infecção micótica da pele causada por Microsporum spp, Tricophyton spp e Epidermophyton spp.

Os dermatófitos formam um grupo incluído no reino dos Fungos, que normalmente existem nos solos e, em determinadas condições, podem infectar os animais e o Homem. Estes fungos alimentam-se de queratina e infectam os tecidos superficiais contituídos por células mortas e queratinizadas, tais como a pele, pêlo (incluindo o cabelo) e unhas do Homem e dos animais.

A dermatofitose é transmitida através do contacto com pêlo e/ou caspa infectados ou ainda com elementos fúngicos nos animais ou no ambiente. De uma forma geral, a infecção ocorre tanto pelo contacto directo entre animais, entre um animal e o Homem ou entre Homens.

Zoonose

 

A Dermatofitose é uma zoonose, ou seja, pode passar dos animais para o Homem. É uma doença endémica em todo o mundo e a infecção pode ocorrer em qualquer idade, sendo mais comum nos jovens, assim como pacientes imunossuprimidos ou debilitados.

Sendo as dermatofitoses zoonoses de fácil disseminação, constituem desta forma um problema de Saúde Pública em que todos os esforços deverão estar centrados nas medidas de prevenção de sua difusão, não só de animal para animal, como deste para o Homem.

 

O papel dos Gatos como reservatório

Os animais domésticos têm importância na disseminação da doença, sendo que o Gato é o prinicipal responsável pela disseminação de Microsporum canis (agente que mais afecta pessoas e animais domésticos).

O papel dos Gatos na disseminação da doença reside no facto de serem portadores assintomáticos do fungo, isto é, têm a doença mas não apresentam sinais clínicos.

 

Medidas preventivas

As medidas preventivas baseiam-se no seguinte:

– estabelecimento de um diagnóstico específico;

– isolamento dos animais infectados;

– redução ao mínimo do contacto entre o Homem e o animal infectado.

É ainda importante considerar que os ambientes frequentados por animais infectados estão também contaminados. Assim, para ser evitada a reinfecção dos animais tratados ou a transmissão da doença aos animais saudáveis, e até mesmo ao Homem, é imperiosa a higienização cuidadosa de tais ambientes antes do alojamento nesses locais, de novos animais.

 

Sinais Clínicos

O sinal clínico mais observado, tanto em cães como em gatos, é uma ou mais zonas com falhas de pêlo, geralmente em forma de moeda, sendo que as mesmas também podem ser escamosas. Estas lesões podem ser localizadas ou generalizadas, afectando grandes porções corporais do animal.

 

Diagnóstico

A cultura fúngica (DTM), com identificação microscópica do fungo é o método mais fiável para confirmar a infecção por dermatófitos.

 

Tratamento

O tratamento da dermatofitose deve ser dirigido à erradicação do agente infeccioso nos animais infectados, nos portadores assintomáticos e no ambiente. Nos animais, a aplicação de um tratamento local poderá ser combinada com a administração por via oral de fungicidas ou fungistáticos.

 

Importância dos controlos

O tratamento da dermatofitose deve ser continuado até que sejam obtidos dois resultados negativos seguidos em culturas fúngica de controlo. Normalmente, as infecções por dermatófitos requerem, no mínimo, 4 a 8 semanas de tratamento.

 

A Clínica Veterinária Animal Especial, tem ao vosso dispor consultas de dermatologia e possibilidade de efetuar testes de dermatófitos em qualquer altura.

Partilhe com os seus amigos!

Esta entrada foi publicada em Doenças com as tags , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.