Disúria

Definição:

A disúria é a dor ou dificuldade para urinar. Este problema aparece com bastante frequência nos cães e gatos.
Este problema deve ser considerado como uma situação de emergência e requer intervenção imediata.
A disúria pode ser resultado de alterações do trato urinário inferior (bexiga e uretra), trato genital (próstata ou vagina) ou ambos. Estas alterações produzem um obstáculo para o fluxo de urina, provocando um urinar anómalo ou inapropriado. No entanto, a disúria também pode ter como origem problemas neurológicos associados, localizados a nível da coluna caudal e sacro. Estes são de mais difícil diagnóstico e tratamento.
Outros sinais clínicos associados:

Juntamente com a dor ou incapacidade de urinar, pode surgir sangue na urina (com alteração da cor da urina para cor-de-laranja ou cor de vinho do porto), piúria (células de defesa na urina), ou ambas. Esta situação surge porque há um processo de inflamação ou infecção da mucosa.
O proprietário do animal doente normalmente refere que o animal tenta urinar muitas vezes e sai pouca urina.

Diagnósticos diferenciais:
1. Causas infecciosas e inflamatórias:

– Cistite bacteriana;
– Uretrites;
– Prostatites/Hiperplasia benigna da próstata;
– Vaginites;
– Síndrome urológico felino.

2. Cálculos na bexiga e uretra

3. Neoplasias:

– Carcinoma transicional das células da bexiga;
– Rabdomioma ou rabdomiosarcoma;
– Carcinoma prostático;
– Carcinoma das células de transição;
– Tumor venéreo transmissível;
– Fibroma;
– Sarcoma;
– Carcinoma.

4. Causas congénita:

– Ureter ectópico;
– Malformações vaginais.

5. Causas traumáticas:

– Ruptura de bexiga;
– Laceração da uretra (ferida por mordedura, cálculos);
– Estenose uretral.

6. Causas neurológicas: – Assincronia uretrovesical.

Estabelecimento de diagnóstico e tratamento:

Para estabelecer um diagnóstico é necessário em primeiro lugar efectuar a palpação abdominal e ver se a bexiga está vazia ou distendida.
Seguidamente é fundamental efectuar análises sanguíneas com um hemograma e um painel bioquímico de rotina.
As análises à urina são de extremo valor diagnóstico e deve ser efectuada uma cuidada avaliação da cor, densidade, proteínas, glicose e sangue oculto, bem como uma avaliação do sedimento.
Pode ainda ser necessário fazer uma cultura de urina para detectar a presença de bactérias.
Caso ainda restem dúvidas do diagnóstico devem ser efectuadas radiografias abdominais que incluam o trato urinário inferior e ainda radiografias de contraste.
O tratamento é bastante variável. Cada causa exige tratamento diferente.

Partilhe com os seus amigos!

Esta entrada foi publicada em Doenças com as tags , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.