Vacina da Leishmaniose

Leishmania

Surgiu no final do mês de Maio de 2011 a vacina há tantos anos esperada: a vacina da Leishamiose.
Neste artigo dedicamos-nos a esclarecer as dúvidas sobre a vacina.
Aproveitamos também para vos informar que temos a decorrer uma campanha especial de vacinação da Leishmaniose. Para mais informações contacte-nos.

A doença:
A Leishmaniose é uma doença provocada por uma parasita que infesta os glóbulos brancos. Esta doença é muito grave e encontra-se já dispersa por todo o país.
Este parasita pode infestar o cão e o homem.
A sua transmissão é feita através da picada do flebótomo (insecto com aspecto semelhante ao mosquito) portador da doença.
Após o contacto com o parasita, o animal (dependendo do seu estado imunitário) pode desenvolver logo sintomas ou ficar anos sem os manifestar.
Quando os sintomas surgem podem variar entre: falhas de pêlo, feridas que não cicatrizam, seborreia seca (uma espécie de caspa) no dorso, uveíte (opacidade nos olhos), unhas muito compridas, diarreias, vómitos, etc. O animal pode também desenvolver anemia, artrite e insuficiência renal.
Infelizmente não existe cura para a doença. Os tratamentos disponíveis são dispendiosos e apenas farão com que o parasita fique latente (o animal não manifesta sintomas, mas o parasita continua no seu organismo). Por este motivo, o cão que começa a ser tratado, tem que ser frequentemente examinado e sujeito a exames periódicos para toda a vida.
Para mais informações visite no nosso tema da Leishmaniose em http://www.animalespecial.com//index.php?option=com_content&task=view&id=69&Itemid=29

A prevenção:
Até aqui, a única maneira de prevenir a doença era proteger o animal da picada do flebótomo. Para tal deveriamos aplicar produtos insecticidas, que protegessem o animal da picada do flebótomo, tais como: pipetas de Advantix® Pulvex® ou coleira Scalibor® e evitar que o animal dormisse no exterior.
E será que conseguimos sempre cumprir a prevenção eficazmente?
Quantas vezes nos esquecemos de pôr a pipeta ou trocar a coleira no dia correcto?!
Agora surgiu uma maneira mais eficaz de prevenir a doença: a vacinação.

Programa vacinal:
Antes de proceder à vacinação, o animal deve efectuar um teste rápido para saber se possui ou não a doença.
Caso o animal não possua a doença, pode-se então iniciar a vacinação.
O programa inicial da vacinação consiste em 3 doses, separadas entre si 3 semanas, ou seja, toma a 1ª dose, espera 3 semanas, faz a 2ª dose, espera 3 semanas e faz a 3ª dose.
A imunidade só é considerada efectiva 4 semanas após a 3ª dose.
Após este programa inicial o animal deve fazer um reforço todos os anos, precisamente 1 ano após a última dose, para manter constante o seu índice de protecção contra a doença.

Efeitos secundários:
Como qualquer outra vacina, podem surgir pequenas reacções locais (pequenos nódulos que desaparecem no prazo de 12 dias), dor local, febre, apatia e diarreia.
Todos estes sintomas são normais e desaparecem sem necessitar de medicação.
Existe alguma possibilidade do meu animal apanhar Leishmaniose com a vacinação?
NÃO. A vacina é feita com proteínas da parede e não pelo parasita em si. Por este motivo, a vacina nunca pode provocar a doença.

Existe alguma possibilidade do meu animal apanhar Leishmaniose, mesmo depois de estar vacinado?
Infelizmente, não há vacinas 100% eficazes. Por este motivo, e apesar do risco ficar significativamente mais reduzido, deverá continuar a aplicar os produtos repelentes do mosquito, para evitar ainda mais eficazmente a doença.
A eficácia da vacina foi demonstrada em diversos estudos, nomeadamente, num ensaio de campo realizado em condições extremas. Ficou comprovada a tendência de reduzir em quatro vezes a possibilidade do animal contrair a doença em zonas altamente endémicas, com os animais mantidos sem protecção insecticida e a viver permanente no exterior.

A partir de que idade pode ser vacinado o animal?
Para iniciar o programa vacinal, o cão tem que ter pelo menos 6 meses e deve estar em pleno estado de saúde. Não existe idade máxima para efectuar a vacinação.

Devem ser vacinados todos os cães ou só aqueles que vivem no exterior?
Havendo possibilidades, todos os cães devem ser vacinados. É certo que os que vivem no exterior estão mais sujeitos a contrair a doença, mas os que dormem dentro de casa, não estão a salvo.

Partilhe com os seus amigos!

Esta entrada foi publicada em Cuidados Básicos com as tags , . ligação permanente.

Uma resposta a Vacina da Leishmaniose

  1. Andreia almeida diz:

    Muito obrigada pelo esclarecimento. Parabéns pela forma tao clara e objectiva como explica e pela linguagem acessível. Cumps

Deixe uma resposta